Encarcerar: ilusão penal ou necessidade social?